SERRA DA LOUSÃ A SAQUE

MilVoz denuncia gestão danosa do património florestal e paisagístico da Zona Especial de Conservação da Serra da Lousã.


Estão em curso cortes maciços de floresta em dezenas de hectares do Sítio da Rede Natura 2000 da Serra da Lousã, nomeadamente nas proximidades da aldeia de xisto do Vaqueirinho, mas também nas imediações do Talasnal, Casal Novo e Terreiro das Bruxas. Os cortes em causa aparentam destinar-se sobretudo à extração de grandes quantidades de madeira de pinho, tendo sido também verificado o corte de folhosas com elevado interesse de conservação, como castanheiros, carvalhos e vidoeiros. Segundo denúncia de habitantes locais, estas intervenções estão a decorrer em terrenos comunitários.


Acresce que estas agressões ao património natural representam uma evidente e preocupante oportunidade de colonização do espaço por espécies exóticas invasoras, particularmente a mimosa, espécie que representa já um problema ecológico e paisagístico gravíssimo na serra, para o qual não tem sido atribuído qualquer esforço de combate. É, portanto, expectável que a área ocupada por esta espécie na serra continue a crescer exponencialmente, uma expansão asseguradamente potenciada por intervenções florestais absolutamente desadequadas como as que estão atualmente em curso.


Nesse sentido, a MilVoz procedeu a denúncia junto do SEPNA-GNR, ICNF e Câmara Municipal da Lousã, aguardando desenvolvimentos por parte das entidades competentes.

Apelamos a que se junte a nós na salvaguarda dos valores naturais da serra da Lousã, procedendo a envio de exposição do problema para o ICNF e Câmara Municipal da Lousã:


Destinatários: geral@icnf.pt ; dpai@icnf.pt ; dcnb@icnf.pt ; dgfc@icnf.pt ; geral@cm-lousa.pt

Assunto: Cortes em larga escala e gestão danosa da floresta na ZEC Serra da Lousã


Exmos Senhores,


Venho por este meio denunciar os cortes maciços de floresta em curso em dezenas de hectares do Sítio da Rede Natura 2000 da Serra da Lousã, nomeadamente nas proximidades da aldeia de xisto do Vaqueirinho, mas também nas imediações do Talasnal, Casal Novo e Terreiro das Bruxas. Os cortes em causa aparentam destinar-se sobretudo à extração de grandes quantidades de madeira de pinho, tendo sido também verificado o corte de folhosas com elevado interesse de conservação, como castanheiros, carvalhos e vidoeiros. A intervenção de corte raso em causa está a provocar profundos danos no património natural e paisagístico da Serra da Lousã, consistindo numa perturbação que irá beneficiar fortemente espécies vegetais invasoras como a mimosa, tendo como consequência uma galopante retração da floresta nativa e degradação dos valores naturais desta serra.

Segundo denúncia de habitantes locais, estas intervenções estão a decorrer em terrenos comunitários.


Atentamente. (Preencher com o seu nome)